Subúrbio, palavra de origem

Écio Salles mediou o debate com Marcelo Moutinho e Vinicius Reis

Ação desencadeada pela publicação do Guia Afetivo da Periferia, o Apalpe começa a ampliar seus contornos.

No sábado, dia 9, teve início o Ciclo de Debates do Apalpe. Segundo Marcus Vinicius Faustini, coordenador do projeto, chegou o momento de refletir sobre a produção estética e as ações sociais nas periferias do Brasil.

“Ao contrário do que muita gente pensa, a expressão estética na periferia já existe há muito tempo. O que não existe é a reflexão sobre essa produção, de forma sistematizada”, afirmou Faustini, reiterando a disposição de sistematizar uma agenda de discussões. 

Os debates começaram com a reflexão sobre as formas como os territórios se apresentam na criação da palavra. A primeira mesa teve como tema “Subúrbio, palavra de origem”.   

Mediados por Écio Salles, secretário municipal de Cultura de Nova Iguaçu e doutor em  Comunicação, o escritor Marcelo Moutinho e o cineasta Vinicius Reis revelaram a influência de seus territórios de origem, Madureira e Tijuca, em sua produção artística.

Segundo Écio Salles, o ciclo de Debates do Apalpe é importante pois começa a discutir a produção em torno do que se faz na periferia, na chamada Classe C, que não pára de crescer no país.

“Uma recente pesquisa da Fundação Getúlio Vargas mostrou que a classe C no Brasil envolve 95 milhões de pessoas e representa 50, 5% da população. Essa transformação trará mudanças profundas na sociedade brasileira. E não podemos deixar essa discussão restrita ao consumo”, observou o doutor em Comunicação.

Marcelo Moutinho é jornalista e escritor, organizou livros como Prosas Cariocas, reunindo contos sobre bairros do Rio, e também a obra “Canções do Rio – A Cidade em Letra e Música”.

Nascido em Madureira, o autor foi morar na Barra da Tijuca em meados dos anos 80 e depois se mudou para a Zona Sul do Rio.

“Num primeiro momento, no início da minha carreira, reneguei a minha relação com Madureira. Depois, houve uma reaproximação  durante a elaboração do livro Canções do Rio. E, no meu próximo livro, pretendo aprofundar essa relação”, explicou o jornalista, que se emocionou ao falar de sua infância em Madureira e da influência do bairro em sua produção.

Já  o cineasta Vinicius Reis, que concebeu e dirigiu o filme Praça Saens Pena, contou como foi o processo de retratar nas telas o bairro onde passou sua infância e adolescência, a Tijuca.

Ao comentar a influência do território em sua obra, Vinicius Reis citou três filmes importantes em sua formação: A Falecida e Eles não Usam BlacK Tie, do cineasta Leon Hirszman, e Chuvas de Verão, de Cacá Dieques.

“Nesses filmes, percebi um olhar diferenciado sobre a cidade, sobre os subúrbios e eles me influenciaram bastante”, revelou o cineasta.

Para Vinicius Reis ainda é cedo para saber se vai surgir uma nova estética na  produção da periferia, mas afirmou que a periferia pode estar nos personagens.

“Aldir Blanc, que aparece no filme, disse que ele pode estar em qualquer lugar do mundo, que a Tijuca está dentro dele. No filme, procurei colocar a periferia nos personagens”, revelou o cineasta paulista.

About these ads

Sobre alebizoni

Jornalista especializada em Mídia e Educação
Esse post foi publicado em Eventos e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Subúrbio, palavra de origem

  1. Eu fui tão feliz no Apalpe I e por motivo de trabalho não estou no II, q morro de inveja, sem pudor nenhum, de olhar essas fotos maravilhosas e ver a galera trabalhando à vera. MVFaustini não joga pra perder, tem visão, inteligência, pensamento pra frente, metas, afeto e conhecimento de causa qdo se fala de território carioca.
    Enfim… sou muito fã desse projeto e espero retornar. Desejo q essa 2a. etapa/fase seja ainda mais produtiva e saudável q a 1a. e q eu volte o mais rápido possível, pra não ficar com água na boca, q inveja não é coisa bonita né.
    Parabéns Apalpianos, galera de responsa, q mete a mão na massa, manda ver e se dedica 100%. Sou fã desses artistas, criadores, q fazem o Apalpe ser o projeto de sucesso q é. Vida longa aos corajosos! (frase q adoro, roubada do meu amigo Tetsuo).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s